gratta-180x90

Seguro Notícias

O seu portal de seguros

Relatório de Riqueza Global da Allianz 2020: riqueza imune

01 de outubro de 2020

  • Um ano excelente: em 2019, os ativos financeiros brutos aumentaram 9,7% e atingiram 192 trilhões de euros
  • Crise? Que crise? Os ativos financeiros globais aumentaram 1,5% nos primeiros seis meses de 2020, impulsionados pelo rápido aumento dos depósitos bancários
  • Reversão da tendência: a diferença de riqueza entre países ricos e pobres aumentou novamente
  • Brasil: crescimento em ativos e passivos estagnando

A Allianz revela a 11ª edição do seu “Relatório de Riqueza Global”, que coloca a situação de ativos e dívidas de famílias em quase 60 países sob o microscópio.

Um ano excelente

Nunca, nos últimos dez anos, pudemos reportar um aumento tão grande na riqueza: em todo o mundo, ativos financeiros brutos[1] aumentaram 9,7% em 2019, registrando o maior crescimento desde 2005. Este desempenho é nada além de surpreendente, dado o fato de que 2019 foi marcado por uma inquietação social, aumento dos conflitos comerciais crescentes e uma recessão industrial. Mas, à medida que os bancos centrais inverteram o curso e embarcaram em uma flexibilização monetária de base ampla, os mercados de ações desvincularam-se dos fundamentos e dispararam 25%, elevando os ativos financeiros no processo: a classe de ativos de títulos negociáveis aumentou incríveis 13,7% em 2019; no século 21, nunca o crescimento foi tão rápido. As taxas de crescimento das outras duas principais classes de ativos foram menores – mas, ainda assim, impressionantes: seguros e previdência atingiram alta de 8,1%, refletindo, principalmente, o aumento dos ativos subjacentes, e os depósitos bancários aumentaram 6,4%. De fato, todas as classes de ativos registraram um crescimento significativamente acima de suas médias de longo prazo desde a Grande Crise Financeira (GFC). Outra peculiaridade de 2019: ao longo dos anos, a tabela da liga de crescimento regional costumava ser dominada por Mercados Emergentes. Não foi assim em 2019. As regiões que viram o crescimento mais rápido foram de longe as mais ricas: América do Norte e Oceania, onde os ativos financeiros brutos das famílias elevaram-se ao recorde de 11,9%, cada. Como consequência, pelo terceiro ano consecutivo, os Mercados Emergentes não foram capazes de superar seus pares muito mais ricos. O processo de atualização está paralisado.

Crise? Que crise?

A mesma história está prestes a se repetir em 2020 – mas apenas no extremo. Enquanto a Covid-19 mergulhava a economia mundial em sua recessão mais profunda em 100 anos, bancos centrais e autoridades fiscais em todo o mundo disparavam bazucas monetárias e fiscais sem precedentes, protegendo as famílias e seus ativos financeiros das consequências de um mundo em desordem. Estimamos que as famílias privadas têm sido capazes de recuperar suas perdas do primeiro trimestre e registraram um ligeiro aumento de 1,5% nos ativos financeiros globais no fim do segundo trimestre de 2020, à medida que os depósitos bancários, alimentados por generosos esquemas de apoio público e poupanças preventivas, aumentaram incríveis 7%. Muito provavelmente, os ativos financeiros das famílias privadas podem terminar 2020, o ano da pandemia, no azul.

“Por enquanto, a política monetária salvou o dia”, disse Ludovic Subran, economista-chefe da Allianz. “No entanto, não devemos nos enganar. Taxas de juros zero e negativas são um doce veneno. Eles minam o acúmulo de riqueza e agravam a desigualdade social, pois os proprietários de ativos podem embolsar bons lucros inesperados. Não é sustentável. Salvar o dia não é o mesmo que ganhar o futuro. Para isso, precisamos mais do que nunca de reformas estruturais após a Covid-19 para lançar as bases para um crescimento mais inclusivo.”

Inversão de tendência

A diferença de riqueza entre países ricos e pobres aumentou novamente. Em 2000, os ativos financeiros líquidos per capita eram 87 vezes maiores, em média, nas Economias Avançadas do que nos Mercados Emergentes; em 2016, esse índice caiu para 19. Desde então, voltou a subir para 22 (2019). Essa reversão do processo de recuperação é generalizada: pela primeira vez, o número de membros da classe de riqueza média global caiu significativamente: de pouco mais de 1 bilhão de pessoas, em 2018, para pouco menos de 800 milhões, em 2019. Olhando para o desenvolvimento desde a virada do século, no entanto, a ascensão dos mercados emergentes continua impressionante. Ajustado para o crescimento da população, a classe de riqueza média global cresceu quase 50%, e a classe de riqueza alta, 30% – enquanto a classe de riqueza mais baixa diminuiu quase 10%. Apesar deste progresso, o mundo continua sendo um lugar muito desigual. Os 10% mais ricos em todo o mundo – 52 milhões de pessoas nos países abrangidos, com ativos financeiros líquidos médios de 240 mil euros – possuíam, juntos, cerca de 84% do total de ativos financeiros líquidos em 2019; entre eles, o 1% mais rico – com ativos financeiros líquidos médios acima de 1,2 milhão de euros – possui quase 44%. O desenvolvimento, desde a virada do milênio, é impressionante: enquanto a parcela do décimo mais rico caiu sete pontos percentuais, a do mais rico aumentou três pontos percentuais. Assim, os muito ricos realmente parecem estar afastando-se cada vez mais do resto da sociedade.

“É bastante preocupante que a diferença entre países ricos e pobres tenha voltado a aumentar antes mesmo da Covid-19 chegar ao mundo”, comentou Patricia Pelayo Romero, coautora do relatório. “Porque a pandemia muito provavelmente aumentará ainda mais a desigualdade, sendo um retrocesso não só para a globalização, mas também prejudicando a educação e os serviços de saúde, principalmente em países de baixa renda. Se mais e mais economias estão voltando-se para dentro, o mundo como um todo será um lugar mais pobre”.

Brasil: crescimento em ativos e passivos estagnando

Os ativos financeiros brutos das famílias brasileiras cresceram 10,9% em 2019, abaixo de sua média de dez anos, de 15,4%, e estagnou desde a crise de 2016. O passivo cresceu 11,9%, um ponto percentual acima de sua média de dez anos. Os ativos financeiros líquidos cresceram 10,5%, ligeiramente mais lento do que em 2018 (11,6%). Na década que se seguiu ao GFC (Grande Crise Financeira), o índice de endividamento no Brasil cresceu 11 pontos percentuais, e atualmente está em 43%, bem acima da média regional de 30%. Com um patrimônio líquido per capita de 6.796 euros, o Brasil alcançou a 39ª posição em nosso ranking de riqueza dos países. Em 2020, o crescimento será notoriamente menor, já que tanto a economia brasileira quanto a global têm sido duramente atingidas pela pandemia.

Mais interessante do que esses números, no entanto, é a mudança na estrutura dos ativos das famílias desde a virada do milênio: os investidores brasileiros abandonaram os instrumentos seguros de investimento e aumentaram sua exposição a títulos negociáveis. Em 2019, a sua participação em títulos negociáveis como porcentagem do total de ativos financeiros era de 54%, contra 33% em 2000. Esta evolução, no entanto, torna-os mais vulneráveis a crises nos mercados financeiros. Até setembro, a B3 não tem conseguido recuperar as perdas sofridas em março.

“Em tempos como estes, é cada vez mais importante apoiar a educação financeira e a inclusão. Nos países em desenvolvimento, famílias são mais vulneráveis a choques adversos devido à falta de um estado de bem-estar; economias são uma proteção para esses choques”. disse Arne Holzhausen coautor do relatório. A América Latina tem sido uma das regiões mais afetadas pelo choque econômico da pandemia, mas uma recuperação não está fora de questão. Investidores brasileiros podem comandar a mudança, colocando seu dinheiro onde há mais chances de criar um impacto positivo, seja em investimentos verdes ou socialmente responsáveis.

 

Top 20 em 2019 por…

… Ativos financeiros líquidos per capita   … Ativos financeiros brutos per capita
  em Euro a / a em% rank 2000     em Euros a / a em% rank 2000
# 1 EUA 209.524 13,4 2   # 1 Suíça 294.535 5,6 1
# 2 Suíça 195.388 7,4 1   # 2 EUA 254.328 11,3 2
# 3 Singapura 116.657 12,2 16   # 3 Dinamarca 171.248 11,2 7
# 4 Holanda 114.287 18,3 6   # 4 Holanda 164.896 12,5 4
# 5 Taiwan 110.706 11,7 12   # 5 Suécia 154.277 14,2 17
# 6 Suécia 110.618 18,8 14   # 6 Singapura 153.642 8,4 10
# 7 Japão 103.829 3,9 3   # 7 Austrália 145.150 11,6 16
# 8 Dinamarca 101.671 17,5 13   # 8 Canadá 140.542 8,9 8
# 9 Canadá 96.630 11,7 8   # 9 Taiwan 131.832 10,4 14
# 10 Nova Zelândia 96.091 4,4 9   # 10 Japão 127.041 3,5 3
# 11 Bélgica 94.804 6,8 4   # 11 Nova Zelândia 125.779 4,7 11
# 12 Grã-Bretanha 88.136 6,0 5   # 12 Grã-Bretanha 123.136 5,2 6
# 13 Austrália 83.240 20,4 18   # 13 Bélgica 121.345 6,4 5
# 14 Israel 79.794 10,0 11   # 14 Noruega 98.804 5,8 20
# 15 França 63.381 10,2 10   # 15 Israel 98.798 8,7 18
# 16 Áustria 59.256 6,5 17   # 16 França 90.691 8,9 12
# 17 Itália 57.429 6,2 7   # 17 Irlanda 83.825 9,6 13
# 18 Alemanha 57.097 7,7 19   # 18 Áustria 81.619 5,4 19
# 19 Irlanda 53.636 17,6 15   # 19 Alemanha 79.779 6,7 15
# 20 Espanha 34.855 8,8 22   # 20 Itália 73.418 5,4 9
# 39 Brasil 6.796 9,7 42   # 39 Brasil 10.014 10,1