gratta-180x90

Seguro Notícias

O seu portal de seguros

Celular aumenta 23x o risco de acidente no trânsito

28 de outubro de 2015

Celular-e-SMSA maioria das pessoas já ouviu falar que dirigir e falar ao celular pode aumentar em 4 vezes o risco de acidente, inclusive que pode ser mais perigoso que dirigir embriagado. Entretanto, muito pior é dirigir e digitar no celular, nesse caso, o risco de acidente aumenta 23 vezes.

Quem faz uma simples chamada fica quase seis vezes mais exposto a se envolver em acidente, aponta um estudo do Departamento de Transportes dos Estados Unidos. E quem acha que não é perigoso dar só uma olhadinha para ver quem está chamando, saiba que você perde em média 4 segundos de atenção, o que a 60km/h pode significar percorrer aproximadamente 65 metros sem ficar atento ao trânsito.

E o risco de acidente de trânsito para quem digita não está restrito ao ato de dirigir. Muitos pedestres causam acidentes ou morrem atropelados enquanto digitavam ou falavam ao celular.

Mas o problema não é restrito aos países em desenvolvimento. Pesquisa da instituição inglesa RAC Foundation revela que 45% dos condutores ingleses usam o celular para enviar torpedos. O estudo identificou ainda que o envio de mensagens retarda o tempo de reação em 35%, percentual bem acima da demora provocada pelo álcool (12%) no organismo.

Nos EUA 49% dos adultos admitem que digitam enquanto dirigem. Dos acidentes no trânsito americano, 1 em cada 4 envolvem motorista digitando. No país, 33% dos motoristas reconhecem que digitaram e dirigiram nos últimos 30 dias, enquanto na Espanha esse percentual é de 15%. Em 2013, nada menos que 341 mil veículos envolvidos em acidentes nos EUA tinham motoristas que digitavam.

No Brasil não existem tantos dados como nos EUA, mas sabemos que registramos mais celulares operando que habitantes e praticamente 100% dos motoristas possuem celular.

Da mesma forma que motoristas e pedestres precisaram aprender a respeitar determinadas regras com a expansão da frota de automóveis circulando pelas ruas na primeira metade do século passado, estamos convivendo numa era em que a tecnologia nos coloca novamente em risco se não entendermos que dirigir é um ato de grande responsabilidade e que nossa urgência em falar ou mandar uma mensagem não pode ser mais importante que vidas humanas, inclusive a nossa. Quem digita ao volante está próximo de escrever suas últimas palavras ou calar alguém para sempre.

Fonte: DPVAT/Rodolfo Alberto Rizzotto

ALE