gratta-180x90

Seguro Notícias

O seu portal de seguros

CCS-RJ divulga sugestões entregues a seguradoras

16 de julho de 2018

Bradesco Seguros, Mapfre, Porto Seguro, SulAmérica e Tokio Marine receberam o documento e estudam o que poderão colocar em prática

Após entregar a cinco seguradoras um documento com sugestões para a operação do seguro de automóvel no Rio de Janeiro, que vem sofrendo com os altos índices de roubos e furtos em diversas regiões, a Comissão de corretores formada no 1º Encontro dos Corretores de Seguros da Baixada Fluminense, da Zona Norte e da Zona Oeste, realizado em março, divulga agora os seis itens apresentados.

Tanto o encontro como a elaboração do documento foram uma iniciativa do Clube dos Corretores de Seguros do Rio de Janeiro (CCS-RJ) em conjunto com a Associação dos Corretores de Seguros da Baixada Fluminense (ACBF), unidos pelo objetivo de viabilizar a manutenção da carteira de seguros de automóvel nas regiões mais afetadas pelo aumento do roubo de veículos no estado.

A comissão é formada por seis corretores, um dirigente do Clube e um da ACBF, sendo dois corretores da Zona Norte, um corretor da Zona Oeste e três corretores da Baixada Fluminense. “A grave crise de segurança que estamos vivendo vem atingindo com mais intensidade as Zonas Norte e Oeste da capital e os municípios da Baixada Fluminense”, diz o presidente do CCS-RJ, Jayme Torres.

Ele explica que a empreitada visa a beneficiar não só os corretores das regiões representadas, mas de todos os locais do estado que apresentam a mesma dificuldade, como São Gonçalo, Niterói e algumas cidades da Região dos Lagos.

O problema social impacta a atividade seguradora. Provoca, por exemplo, o aumento nas taxas de seguros, que, muitas vezes, inviabilizam a manutenção dos segurados, inibe e até proíbe a entrada de novos clientes. Outra consequência é a recusa de riscos e de segurados sem histórico de sinistro, o que dificulta a atuação dos corretores nas regiões, abrindo espaço para a atuação das associações de fachada que comercializam a “proteção veicular” ou “seguro pirata”.

Confira as sugestões:

1 – Criação de produto ou aumento do desconto nos prêmios quando o segurado optar por porcentagem da FIPE igual ou inferior a 90% nos produtos atuais. A participação do cliente no prejuízo deverá contribuir para um cuidado ainda maior do segurado com seu veículo e para reduzir proporcionalmente a sinistralidade por Perda Total (PT);

2 – Criação de produto ou aumento do desconto nos prêmios quando o segurado optar por franquia facultativa nos produtos atuais. Hoje, a diferença de prêmios gerados quando o segurado faz opção por franquia facultativa ou até mesmo obrigatória em relação à franquia reduzida é muitas vezes insignificante;

3 – Criação ou adaptação de produtos atuais com cobertura exclusiva para Perda Total (PT), roubo e acidente com limitação da FIPE em 80% a 90%, ou aplicação de franquia com opções de 10% ou 20%. Trata-se de uma alternativa para alta demanda de clientes preocupados com maior risco, porém, com sua participação nos prejuízos, é provável que as fraudes sejam reduzidas, devendo ser atraente também para proprietários de veículos com mais de cinco anos de uso;

4 – Nas renovações sem sinistro, limitar o reajuste do prêmio a 20%, ainda que seja necessário aumento da franquia ou limitação da porcentagem da FIPE em 85%. Essa ação evita a dificuldade de justificar alguns aumentos extremamente significativos de prêmios para segurados que não têm sinistro. Serve também para que esse segurado com bom histórico não saia do nosso mercado;

5 – Melhores condições de aceitação para carros blindados. A evolução tecnológica utilizada nos veículos nos últimos cinco anos minimizou bastante os danos e os riscos nos veículos, diferentemente do que ocorria no passado. Porém, a política de aceitação desses riscos não acompanhou essa evolução. Seria interessante uma reavaliação nesses critérios;

6 – Maior flexibilização na análise do perfil do cliente. Muitos clientes têm o risco recusado ou o prêmio agravado em função do seu histórico no Serasa. Entretanto, um estudo revela que 41% dos brasileiros estão, de alguma forma, negativados em função da crise econômica. A sugestão é uma análise pontual, caso a caso, com o corretor, para identificar o que de fato teria potencial para fraude.

 

Fonte: Assessoria