gratta-180x90

Seguro Notícias

O seu portal de seguros

Planos de viagem? Momento é favorável para comprar dólares

05 de Abril de 2017

Para muitas pessoas, viagens ao exterior são os momentos mais prazerosos da vida e uma das maiores e melhores recompensas pelo trabalho realizado ao longo do ano. Mas é necessário planejá-las, já que o custo cambial pode impactar o orçamento disponível para a tão sonhada viagem, ao convertermos o dinheiro brasileiro – o Real – para a moeda do país a ser visitado.

Em 2016, a taxa de câmbio do dólar atingiu as alturas. Porém, desde o início deste ano, a moeda norte-americana passa por uma trajetória de queda e a cotação do câmbio encerrou março de 2017 em R$ 3,17 para cada dólar, com o dólar turismo apresentando cotação média de R$ 3,28 no mesmo mês. A causa deste bom momento – para nós, turistas – são alguns fatores como a manutenção das commodities em patamar valorizado e a percepção de incertezas no cenário político-econômico dos EUA.

Como resultado da queda no valor do dólar, os gastos dos brasileiros no exterior cresceram 61,6% no mês de fevereiro em comparação com o mesmo período no ano passado, segundo dados divulgados pelo Banco Central do Brasil (BC).

A maioria das previsões dos economistas para cotação da moeda norte-americana vão na direção de alta, o que, se confirmado, torna a compra de dólares neste período de baixa um bom negócio para quem planeja viajar. E embora estejamos em um momento teoricamente favorável para a compra da moeda, Pedro Ramos, gerente de Análise Econômica do Banco Cooperativo Sicredi, alerta que a oscilação do dólar é muito alta, o que torna o indicador de difícil previsão. Mesmo assim, o especialista alerta que comprar em um momento de relativa baixa é favorável não só pela questão de taxa do câmbio, mas também por gerar a possibilidade de programar com mais assertividade o custo da viagem.

“Esta é uma boa hora para tirar do papel aquela viagem planejada há tempos. Nossa estimativa é de que o dólar comercial, sobre o qual se baliza o dólar turismo, vá fechar a R$ 3,40 em 2017, mas, independentemente disso se confirmar, a compra antecipada garante o planejamento da sua viagem”, declara Ramos.

Muito mais que câmbio – Para aqueles que querem aproveitar o cenário de mercado atualmente favorável, o Sicredi – instituição cooperativa financeira com mais 3,5 milhões de associados e atuação em 20 estados brasileiros – oferece opções atrativas para associados que estão programando sua viagem de lazer, estudo ou a negócios no exterior e precisam adquirir moeda estrangeira de maneira rápida e segura.

Em parceria com a Cotação, empresa líder em câmbio turismo no País, o Sicredi oferece o cartão pré-pago internacional nas bandeiras Mastercard e VISA, que funciona para saque ou compra no exterior. De acordo com Roberta Magalhães, especialista de Câmbio Varejo do Sicredi, este produto tem sido uma opção cada vez mais usada por viajantes por proporcionar proteção e comodidade.

A especialista destaca que as vantagens do cartão pré-pago internacional são inúmeras: não tem cobrança de taxas ou anuidade e dá ao usuário a possibilidade de recarregar quando e onde quiser via internet ou aplicativo no smartphone.  “Além da senha e chip para garantir a segurança, o usuário pode acessar on-line o extrato e movimentações de seu cartão ou dos cartões adicionais. Como pode ser portado e utilizado por menores de 18 anos, o produto é uma excelente opção para os pais quando seus filhos estão em intercâmbio ou viagem de turismo no exterior”, explica Roberta.

Outra vantagem adicional, com o cartão pré-pago o usuário não sofre com o risco de variação cambial, podendo criar uma “poupança” em moeda estrangeira comprada no momento de taxa de câmbio mais favorável. “O produto não tem juros de saque no exterior e o associado conta com a assistência do cartão, inclusive com a possibilidade de saques emergenciais em espécie no caso de perda ou roubo”, conclui a especialista de Câmbio Varejo do Sicredi.

Os cartões pré-pagos Sicredi Travel Card estão disponíveis nas agências Sicredi em dólar americano, dólar canadense, dólar australiano, euro e libra.

Fonte: CDN