gratta-180x90

Seguro Notícias

O seu portal de seguros

GFT Brasil lança sistema para reconhecimento automático de danos em veículos

05 de outubro de 2020

GFT Brasil lança sistema para reconhecimento automático de danos em veículos baseado em inteligência artificial

O IDE busca melhorar radicalmente a experiência das seguradoras com os clientes; serviço leva apenas algumas fotos e menos de 20 segundos para oferecer uma avaliação detalhada dos danos visíveis e não visíveis do veículo
São Paulo, outubro de 2020 – A GFT está lançando o IDE (Intelligent Damage Evaluation, “Avaliação Inteligente de Danos”, em português), sistema de reconhecimento e avaliação automática de deterioração em veículos. Ao fornecer o número de registro do carro e fotos das áreas danificadas, o serviço pode identificar o automóvel, avaliar os estragos e usar os detalhes do banco de dados para estimar o tamanho dos danos, incluindo os não visíveis.

O serviço usa algoritmos desenvolvidos pela GFT para avaliar danos relacionados aos sinistros de seguros. Ele se baseia em uma rede de provedores de banco de dados globais, bem como em tecnologias de Inteligência Artificial desenvolvidas pela IBM para análise de imagens e machine learning, a fim de quantificar os custos das peças e o tempo de reparo.

Com o auxílio da nova ferramenta, após o usuário enviar uma simples foto da peça danificada para sua seguradora, o sistema analisa os danos e fornece feedback detalhado em 20 segundos sobre os reparos necessários e os valores envolvidos. O IDE está em negociação com uma das maiores seguradoras do país, para as quais foram analisadas imagens de veículos que sofreram algum tipo de sinistro.

“A digitalização mudou drasticamente a maneira como as pessoas usam produtos e serviços em muitas áreas da vida. Esse novo comportamento do consumidor representa um desafio para as seguradoras oferecerem de forma proativa soluções que abrirão maior caminho para relacionamentos com os clientes. O IDE foi projetado e implementado com isso em mente”, explica Marco Santos, presidente da GFT para a América Latina e os Estados Unidos.

Inteligência artificial servindo à indústria automotiva

O sistema é baseado em tecnologias de Inteligência Artificial de ponta usando serviços como o IBM Watson, sendo que os algoritmos que fornecem uma avaliação extremamente confiável e precisa dos danos reconhecidos foram desenvolvidos pela GFT. O reconhecimento inclui todos os componentes do perímetro da lataria do automóvel e as principais partes externas, compreendendo as unidades de luz e os para-brisas dianteiro e traseiro, o que o torna único no mercado – sistemas comparáveis se limitam à detecção de danos visíveis.

Para manter o IDE confiável e atualizado o tempo todo, a companhia monitora constantemente a qualidade dos algoritmos e otimiza regularmente o reconhecimento de novos componentes.

O novo sistema é um aplicativo SaaS (Software as a Service), mas também pode ser integrado a modelos antigos. Para requisitos especiais, o serviço também pode ser adaptado às necessidades específicas do cliente. As fotos solicitadas, bem como mais detalhes sobre o veículo com sinistro, podem ser fornecidas via app, e-mail ou corretora de seguros.

“O IDE representa uma revolução na gestão de sinistros: acelera o processamento de identificação da avaria, reduz o risco de fraude e encurta o tempo entre a notificação de danos e a resolução do problema. Acima de tudo, permite que as seguradoras melhorem radicalmente a experiência do cliente. Aqui no Brasil já começamos a implementar esta solução este ano e estamos recebendo feedbacks positivos para evoluir o produto. Existem inúmeros benefícios para as seguradoras, que variam desde melhorias gerais na eficiência do processo de liquidação, revisão dos métodos de concentração de sinistros, controles antifraude até a oferta de novos serviços para clientes finais”, afirma Carlos Kazuo Missao, diretor executivo da GFT Brasil.

A solução é modularizada e pode ser utilizada de forma personalizada. “Se o cliente deseja apenas utilizar os algoritmos de identificação das avarias, mas não implementar o sistema contador de custo de peças, é apenas uma questão de definir a jornada e a experiência que lhe faça mais sentido do ponto de vista do negócio e também de custos operacionais”, complementa Missao.