gratta-180x90

Seguro Notícias

O seu portal de seguros

Dia da Gentileza: ajudar faz bem para a saúde mental

12 de novembro de 2020

Especialista explica que os benefícios da gentileza atingem quem está recebendo o ato e também quem está exercendo

Elogiar o trabalho de alguém, ser empático, oferecer ajuda ou favores e cumprimentar as pessoas são algumas ações de gentileza que fazer a diferença no dia a dia de quem pratica e de quem recebe. Para incentivar o ato de ser gentil entre as pessoas, nesta sexta-feira (13) celebra-se o Dia da Gentileza. De acordo com a professora de Psicologia da UNINASSAU – Centro Universitário Maurício de Nassau Maceió, Sabine Heumann, os atos gentis conectam e beneficiam as pessoas.

“O benefício é não só para quem está recebendo, mas para quem está exercendo também. São pequenas ações do dia a dia, como dar bom dia e ajudar alguém a carregar algo, que estão relacionadas ao olhar para o outro e perceber o que ele está necessitando. Então, gentileza tem tudo a ver com empatia. Não são grandes coisas que precisam ser feitas, está muito mais ligado a esse olhar para quem está ao seu lado. Isso conecta as pessoas e a gente precisa dos outro, afinal, as relações interpessoais são muito importantes para nossa saúde mental”, afirma Sabine.

De acordo com a psicóloga, existem estudos que apontam que a gentileza traz efeitos para a saúde mental das pessoas. “Algumas pesquisas mostram que, quando colocado como meta praticar pequenas ações de gentileza ao longo do dia, pode ajudar a aliviar ansiedade, trabalhar a depressão e até elevar a autoestima. Ou seja, a gentileza tem uma série de benefícios físicos e metais”, destaca a docente, revelando que uma pesquisa da Universidade Harvard mostra que as pessoas que desenvolvem comportamentos de gentileza e altruísmo são mais felizes que as outras.

Por outro lado, Sabine salienta que um ponto muito importante a ser tocado é que, muitas vezes, as pessoas não querem aceitar a gentileza. “Seja por não querer atrapalhar o outro ou não mostrar sua vulnerabilidade, algumas pessoas não querem ser ajudadas, não querem receber um comportamento de gentileza. Acho válido incentivar que as pessoas estejam abertas a receber gentilezas e não encarem isso como uma fraqueza. Imagine como você se sente quando consegue ajudar alguém e pense que quando você deixa alguém te ajudar, você está permitindo que essa pessoa sinta o mesmo”, finaliza a professora da UNINASSAU Maceió.