gratta-180x90

Seguro Notícias

O seu portal de seguros

BNDES vai compartilhar garantias

06 de abril de 2017

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) lança, na próxima semana, um programa de compartilhamento de garantias em financiamentos de projetos de infraestrutura. O objetivo é facilitar e dar mais agilidade à liberação de recursos para as empresas responsáveis pelas obras.

– O BNDES tem garantias nos projetos e nunca compartilhou isso com os demais bancos fiadores. Estamos estabelecendo condições para isso – disse a presidente do banco, Maria Silvia Bastos Marques, em evento organizado pelo Bradesco BBI em São Paulo.

A executiva explicou que esse compartilhamento será válido para a fase de execução das obras. Nessa operação, além da análise do projeto, o banco também pede garantias (em geral, ativos da empresa) para liberar os recursos do financiamento.

Maria Silvia não detalhou como vai funcionar esse mecanismo, mas indicou que haverá uma contrapartida por parte dos bancos que o usarem.

– Por exemplo, se o consórcio de bancos privados estenderem suas garantias em ao menos 40% do valor do projeto, vamos aceitar compartilhar as nossas garantias com ele. Isso vai ajudar na financiabilidade dos projetos – explicou.

João Augusto Salles, analista da consultoria Lopes Filho, observa que algumas empresas, ao tomar crédito com mais de um banco, chegam a ficar sem garantias para novas operações. A outra opção seria optar pela fiança bancária, quando uma instituição garante que seu cliente pagará o empréstimo a outro banco. Essa, porém, é uma operação cara, que, em muitos casos, inviabiliza os investimentos: – As garantias são o processo mais difícil no financiamento de um projeto. Se não tem garantia, vai para a fiança, que é cara.

CAPTAÇÃO EXTERNA Maria Silvia afirmou, ainda, que o BNDES provavelmente fará uma captação externa neste ano e reafirmou que o Tesouro Nacional não fará mais aportes na instituição.

– Possivelmente vamos fazer esse ano. O BNDES sempre utilizou recursos de mercado e do FAT (Fundo de Amparo ao Trabalhador). Os recursos do Tesouro foram exceção – disse.

Ela lembrou que o BNDES reduzirá os financiamentos referenciados à Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP), mais baixa que as de mercado. Empréstimos com esse custo chegarão, no máximo, a 80% do projeto, a depender da área. Nessa nova política, saúde e educação terão essa cobertura maior.

Fonte: O Globo

ALE